sábado, agosto 08, 2009

Confissões Inconfessáveis de um Romântico Incurável

Eu gosto de mimar e ser mimado.

Gosto de moças bonitas, mas não basta ser bonita. Precisa ser generosa.

Precisa ser inteligente também. Não do tipo intelectual, propriamente. Mas inteligente a ponto de ser graciosa até quando não sabe uma coisa e pede explicação.

Eu me desmancho com sorrisos e carinhas de quem acha que aprontou. Sou apaixonado pelas menininhas.


Gosto de mulheres calorosas. Cientes do que querem. Mulheres que saibam conduzir e saibam serem conduzidas. Que, na cama, saibam exatamente o que fazer pra me tirar do sério, me enlouquecer, me deixar de joelhos, tirar de mim a última gota e o último urro.

E que saibam se entregar, que se permitam ter comigo todo o prazer que posso dar. Nada me faz melhor do que saber que consegui dar prazer. Eu adoro dar prazer, em todos os sentidos.


Eu gosto de tudo que deixe lembrança boa. Uma frase impensada, uma declaração inesperada. Uma brincadeira que, de repente, ganha uma conotação séria.

Gosto de proteger. De ser gentil. De me aperfeiçoar cada vez mais na arte do galanteio. Mas gosto também de esquecer, de vez em quando, de fazer uma gentileza, e então ser cobrado por isso. Cobrado com um sorriso ou um muxoxo, cobrado daquele jeito especial que só as mulheres sabem fazer. Pra me levar pra onde bem querem.

Eu acredito na força e inteligência das mulheres. Acredito também na malícia e perfídia delas. Tenho com elas uma relação de amor, sem ódio. Ou de pouco ódio.


Gostaria de poder amar todas as mulheres do mundo.

Inclusive as feias. Já amei algumas feias. Mas elas, mesmo sendo feias, não me amavam. Talvez porque não fossem feias, ou porque tivessem ficado bonitas no meio do caminho. Não importa. Amar uma feia é uma coisa diferente. É uma coisa saborosa também.



Amar as bonitas é doce e trágico. É esquisito. Ainda mais as que não são apenas bonitas: já amei mulheres incríveis, por dentro, por fora, por todos os lados, em todas as dimensões.


E amo, hoje, a mais incrível de todas elas. A que melhor soube me seduzir, voluntária e involuntariamente. A que, com uma palavra, um olhar, ou um sorriso, me faz ter vontade de pular do 8º andar daquele prédio e cair no chão apoiado nas quatro patas, como um gato, na rua suja de um dia sujo. A Mulher de Vidro. Todo o prazer que pode estar contido numa mulher que se deseja. Uma deliciosa dançarina caribenha que frequenta meus sonhos, que carrega minhas vontades, que é depositária do meu mais insuportável desejo. Quando penso nela, no que veio e no que virá, tenho a impressão de que o tempo vai parar de repente, e estaremos os dois sozinhos, frente-a-frente, sem obstáculo no caminho, sem nada pra reter aquilo que, de alguma forma, está marcado pra acontecer.


Somente Deus sabe as contradições que passam pela minha cabeça e como essa onda volta cada vez mais forte pra praia, devastando o que há de sensato, perfeito e aceitável.


Quero o sussurro, o gemido e a voz arfante dessa mulher nos meus ouvidos, como uma sinfonia, indicando que é possível enlouquecer e depois voltar à razão, pecar e depois ser absolvido, ter prazer furioso para depois voltar à paz daqueles que tem por meta só andar pelos lugares que têm vontade.


Quero ser seu cúmplice, seu amigo, seu irmão, o cais onde o barco ancora antes de cruzar um oceano de coisas turbulentas, viagens longas e sem previsão de volta, aventuras boas e más por rotas perdidas.


Vem. Vem comigo. Vem agora. Vem que eu tô esperando.

2 Comments:

Blogger Wellington Souza said...

Não há muito o que falar, senão eu também serei repetitivo.

Abraços!

"as sereias que me perdoem, mas Bu**** é fundamental!"

agosto 10, 2009 9:12 PM  
Blogger K said...

Ai ai ai... É um belo post, mas como a Engenharia tem me dominado mais que o Jornalismo, preciso dizer que esse post ficou tão no estilo Martinho da Vila...
Beijos

agosto 11, 2009 4:40 AM  

Postar um comentário

<< Home