domingo, outubro 12, 2008

Menino Mau

A minha vida toda eu quis ser um cara mau. Mas não tinha a menor vocação.

Aí, dia desses, minha chefe e amiga, que passa pelo menos oito horas do dia junto comigo, trabalhando diretamente, me disse uma coisa que me deixou com uma curiosa satisfação. Me disse algo como "você mudou. você não é mais aquele cara bonzinho e paciente que eu conheci quando viemos pra cá". Ela não me disse isso em tom de crítica. Quer dizer, oficialmente, deveria ser uma crítica. Mas o tom que ela usou, a expressão em seu rosto, os elementos todos me permitiram fazer uma leitura de que ela estava me dizendo "até que enfim você caiu na real".

E hoje eu trago no rosto um sorriso de quem realmente teve uma epifania. Eu caí na real. Não, eu não deixei de ser o sujeito cordial, polido e avesso a confusões que eu sempre fui. Mas eu repassei mentalmente várias coisas que eu considerava e que agora encaro como babaquices. Pessoas escrotas que eu inutilmente valorizei. Besteiras que eu fiz e coisas bacanas que eu deixei de fazer por pudores bobos.

Eu percebi, pela maturidade adquirida, que durante todos esses anos eu engambelei a mim mesmo. E que se eu me fodi na vida, ainda que pouco, não foi por culpa de um Deus sádico, nem de pessoas sem coração: foi por culpa minha mesmo, que fiquei impassível enquanto a situação exigia uma outra postura, mesmo que a postura fosse um blefe de minha parte. Eu respondi com sinceridade e coração aberto quando o momento era de mentir pra me proteger. Eu ofereci minha cara e deixei que batessem quando, na verdade, a oportunidade era perfeita pra eu embolachar a cara da vida. E deixei que se rissem de mim às minhas costas, quando eu queria chorar e dizer ao mundo que estava chorando. Ah, eu fui amador demais. E esse negócio não é pra amadores.

Aí agora eu me pego mais sagaz, me importando menos com os outros, mais egoísta. E gosto desse suposto meu novo eu. E tenho a impressão de que com ele eu vou atrair pessoas mais interessantes pra junto de mim.

Não tenho grandes planos para este final de ano. Mas alguma coisa vai acontecer.

3 Comments:

Blogger W. Fernandes said...

Pelo menos esse seu outro "eu" também se expressa bem e tem o que dizer!
como diz um chinês bêbado (tradução): "nenhum homem passa duas vezes sobre o mesmo rio, pois quando ele volta não só as águas são outras, mas também ele é"

Lembra um poemas que fizemos juntos a muito tempo atras: Cirilo Nefasto e Cruel Rafael? rsrs
Realmente, éramos crianças, e nesse mundo ser criança e se danar!
Abraço!

outubro 13, 2008 2:29 PM  
Blogger A. Diniz said...

Nenhuma mudança é simples. Todas elas são confusas, traumáticas, aporrinhantes. Lembro que disseste uma vez que sentia-se mal por andar na rua e não diferenciar um mendigo de um telefone público. Mas a vida é assim - não somos pagos para sentir pena, exceto de nós mesmos no meio da noite.

Ademais, bom post, como sempre o são.

Beijo do gordo!

outubro 17, 2008 2:35 PM  
Blogger K said...

o.O

outubro 26, 2008 6:06 PM  

Postar um comentário

<< Home